tenis-em-cadeiras

Hoje as 18:15, com a cerimônia oficial de abertura, começa as Paralimpíadas, e muita gente ainda não tem conhecimento de muitas das modalidades que foram remodeladas ou criadas para os nossos atletas portadores de deficiência. Pensando nisso, resolvemos compartilhar algumas dessas modalidades com vocês!

 
1. Futebol de 5:futebolde5
Também conhecido como futsal e futebol para cinco, é uma adaptação do futebol para atletas com deficiências visuais, incluindo os cegos. O esporte, governado pela Federação Internacional dos Esportes para Cegos (IBSA), é jogado com regras da FIFA modificadas.

O campo de jogo é menor e rodeado de placas. Cada equipe tem cinco jogadores, incluindo o guarda-redes. As equipes podem ainda ter um guia, que está posicionado fora do campo de jogo, para assistir os jogadores e guia-los. A bola está equipada com um dispositivo que faz barulho para os jogadores poderem localizá-la pelo som. Os jogos têm dois tempos de 25 minutos cada, com um intervalo de 10 minutos.

 

 

2. Vôlei Sentado:
voleisentado

O vôlei sentado surgiu da união do vôlei convencional com um esporte alemão praticado por pessoas com pouca mobilidade, mas sem rede, chamado sitzbal. A união das duas modalidades fez surgir o vôlei sentado em 1956. Utilizando basicamente as regras do vôlei, o esporte tem um ritmo bem rápido e é disputado oficialmente desde as Paraolimpíadas de Arnhem-1980, na Holanda.

Quando entrou no programa paraolímpico, o vôlei sentado dividia espaço com a modalidade disputada em pé. Após 24 anos compartilhando os holofotes, a modalidade ganhou destaque de vez nos Jogos de Atenas-2004, quando o vôlei paraolímpico passou a ser disputado apenas com os atletas sentados.

Podem competir no vôlei sentado jogadores amputados, paralisados cerebrais, lesionados na coluna vertebral e pessoas com outros tipos de deficiência locomotora. Uma das regras principais do esporte é que os atletas não podem bater na bola sem estarem sentados.

 

 

3. Esgrima em cadeiras de rodas:
Esgrima em cadeiras de rodas

Destinada a atletas com deficiência locomotora, a esgrima adaptada data de 1953 e foi aplicada originalmente pelo médico alemão Ludwig Guttmann. A modalidade, uma das mais tradicionais dos Jogos Paraolímpicos, é disputada desde a primeira edição em Roma, 1960.

A disputa segue as regras da Federação Internacional de Esgrima (FIE), mas é administrada pelo Comitê Executivo de Esgrima do Comitê Paralímpico Internacional (IPC). Na competição, as pistas medem 4m de comprimento por 1,5m de largura, e as cadeiras de rodas ficam fixas ao chão. Se um dos esgrimistas mover a cadeira, o combate é interrompido. Há duelos de florete, espada e sabre. Para cada prova há uma proteção específica para o competidor e para as cadeiras, além de regras para a pontuação ser validada.

 

 

4. Goalball:
goalball

Criado em 1946 para reabilitação de veteranos de guerra, o Goalball é disputado por atletas com deficiências visuais, que jogam vendados. A apresentação do Goalball foi feita nos Jogos de Toronto, 30 anos depois. A partir dali, passaram a ser organizados campeonatos mundiais e, em 1980, a modalidade estreou nas Paraolimpíadas de Arnhem. As mulheres entraram para a disputa em 1984.

O objetivo do jogo é arremessar uma bola com as mãos no gol do adversário. Cada time joga conta com três jogadores e três reservas, sendo obrigatório o uso de vendas nos olhos por todos os atletas.

A percepção dos jogadores é pelo tato e audição; as linhas do chão são o motivo do jogo em que o tato prevalece. A bola possui sinos para que os jogadores possam saber em que direção ela está indo. É um jogo que precisa de muita concentração, por isso o silêncio da torcida e da equipe é de extrema importância.

 

 

5. Tênis em Cadeira de Rodas
tenis-em-cadeiras

O tênis em cadeira de rodas é um esporte praticado por cadeirantes cuja deficiência seja a perda dos membros ou a incapacidade de utilizá-los para locomoção. Utiliza as mesmas quadras do tênis convencional utilizando as mesmas regras com pequenas adaptações.

A maior diferença da regra adotada neste esporte é a que a bola pode quicar duas vezes antes de ser rebatida, podendo o segundo quique ocorrer fora das linhas da quadra. A mesma regra é válida para os saques, que podem ser realizados por outra pessoa se a deficiência do jogador impeça a realização deste. Durante o jogo o jogador não pode deixar o assento de sua cadeira de rodas, sendo ela considerada parte do corpo do jogador.

O esporte foi criado por Jeff Minnenbraker e Brad Parks nos Estados Unidos em 1976, sendo o primeiro campeonato organizado no ano seguinte. No Brasil o pioneiro do esporte foi José Carlos Morais que o trouxe para o país em 1985, participando da delegação brasileira que representou o pais das paralimpíadas de Atlanta, 1996.

 

Vai Brasil!!

 

Fontes:
www.brasil2016.gov.br/
www.pt.wikipedia.org

 

Fotos/Reprodução
Redação Café Sem Pó

Veja também

Comentários